Sim, essa pergunta é bem séria! Eu me fiz essa pergunta dias antes das minhas férias. Para ser mais produtiva, fazer mil coisas em um dia, eu me vi "obedecendo" uma agenda que me guiava até que horas eu podia tomar banho. É claro que eu não respeitava essa agenda toda certinha, bastava acordar e eu já tinha todos os meus passos traçados até ir dormir. Me sufocava e eu nem percebia, até que me vi frustrada por não estar alcançando resultados que só a mulher maravilha conseguiria ter. E não percebia a quantidade de coisas bacanas que estava produzindo.

Bem vinda ao clube! Você está virando um robozinho? Alguém que faz, faz, faz, se mantém ocupado, mas no final, você está no mesmo lugar, apenas mais cansada? Então, vem comigo!



Sim, quem não ama bolsas? Mas, eu confesso que sou bem chata para escolher as minhas. Prefiro sempre as mais estruturadas, bem ladylike, sabe como? Elas são um acessório muito importante na construção do estilo de uma pessoa, além de precisarem ser adequadas ao estilo de vida de cada um. Tá pensando o quê? Escolher uma bolsa é assunto sério. 

Eu fui lá na My Shoes aqui de Pelotas conferir as novidades do verão e mostrar pra você as opções que temos por aqui! A partir daí, se você estiver querendo uma bolsa, fica mais fácil de escolher logo de cara! Vem comigo!



Não sei você, mas muitas vezes eu acordo querendo usar alguma coisa diferente. Nem sempre é uma questão de roupa nova, mas até usar alguma peça de forma diferente! Eu sempre tive essas vontades, desde muito nova e acredito que seja uma ótima forma de exercitar a criatividade! Esse look é uma prova de que você pode usar esses dias de insatisfação para ficar mais criativo e exercitar seu estilo pessoal! Vem ver mais!



Um oi direto das minhas férias! o/ Tenho tanta coisa bacana para contar pra vocês. Muitas ideias passando pela minha cabeça e cada uma delas mais trabalhosa do que a outra. É também, um momento perfeito para reflexão e clarezas. Aguardem os próximos posts, enquanto eles não chegam, me acompanhe pela fan page e pelo Instagram!

Passado esse momento "atualização", hoje eu venho com 6 inspirações para você já ir planejando e -quando tiver certeza - comprando suas peças de verão. Eu não sei o que anda rolando aqui pelo Sul, mas estamos em uma bolha de ar quente que não deixa o frio passar. Estamos vivendo no inverno sem aquele frio de -5º. Sinceramente, estou até um pouco desapontada! hahah Com isso, já que o frio não vem, vamos começar a pensar no verão? Vem comigo!


Quando ainda fazia um tempo ameno em Pelotas, eu fotografei esse look que curto bastante. Ele é bem urbano, bem clássico e limpo. Sem firulas. E o cabelo descabelado faz parte do styling, afinal, rua é lugar de vento, pelo menos por aqui! rs.


Gente, preciso confessar que eu odiava tricots. A vida inteira passei não usando essa peça que hoje amo e preciso. Eu, uma carioca vivendo um clima completamente tropical durante toda a vida, realmente nunca iria curtir um casaco. Durante a vida inteira tive uns dois. Mas, agora, a vida é outra e muito mais fria, congelante! Moro em Pelotas a 4 anos, mas só nesse inverno é que estou começando a usar tricot. Dá pra acreditar? E como essa peça é muito distante da minha cultura, pesquisei de que forma queria/poderia usar! O resultado está nesse post! ;) Vem comigo!



Se tem uma década na qual eu gostaria de ter vivido como jovem, realmente seria os anos 60. E, de qualquer forma, acabo vivendo, pois a moda sempre retorna suas antenas para o que foi vivido e criado nessa década. Não é para menos, a década de 60 foi revolucionária em vários sentidos. Foi a partir daqui que o jovem começou a ser valorizado como tal, ao ponto de se tornar o ideal de uma sociedade, sendo um modelo absoluto no ocidente. Assim, a moda teve que atender a essa camada enorme de jovens consumidores, que não queriam saber de alta costura, de esclusividade e de tendências que duravam décadas inteiras. E é justamente isso que vivemos até hoje.

A sexualidade também começou a ser discutida, virando assunto público e tema de livros e revistas dedicados a iniciação sexual. A pílula surgiu e concedeu à mulher a liberdade que tanto era necessária, a livrando de uma gravidez indesejada. Assim o sexy entrou super nessa onda e o bacana era ser jovem, sensual, mas com cara de ingênua. Twiggy está aí para provar isso. Imaginem o que era para as gerações mais velhas ver uma mulher com um corpo magro, sem curvas femininas, se tornando a primeira top-model?